09 de Março de 2015
Eu sabia que mais cedo ou mais tarde isso ia acontecer

Prezado(a) leitor(a),

 

Como você, eu não tenho bola de cristal, mas cada um de nós tem a sua própria experiência de vida, e ela sempre nos leva a perceber o “andar da carruagem” e para onde as coisas vão, isto é, o que chamamos de “tendências”.

 

Você como fumante (se não mora em Marte) deve sentir diariamente o peso da discriminação da sociedade, de como as pessoas olham o fumante como sendo um “fraco” que “não tem opinião”, nem “vergonha na cara”, etc.

Todas essas baboseiras que você é obrigado a ouvir hoje em dia por ser fumante. Discordamos delas em gênero, número e grau!

 

Você também sabe que de uns anos para cá, essa mesma sociedade tem rejeitado de forma forte e consistente o fumo e o fumante através de leis antitabagistas cada vez mais rígidas, que causam a ele isolamento e discriminação crescentes.

 

Essas leis tem um ponto positivo: Protegem o não fumante dos males do fumo passivo. Ok, concordamos com elas (embora enquanto fumantes sentimos que elas nos limitam e nos podam em nossos direitos).

 

Mas essas mesmas leis nada fazem para resolver o problema de quem deseja parar de fumar. Para isso, são inócuas. A gente sente a discriminação, a gente mesmo assim sai pra fumar no frio e na chuva, sai em momentos inoportunos e fuma, se afasta dos outros e fuma.

 

Eu nunca conheci alguém que parou de fumar por decreto de lei. :-)

 

Acompanhando essas mesmas leis restritivas ao longo do tempo, eu notei que o fumante está sendo cada vez mais estrangulado por elas. A coisa chega ao ponto da invasão da esfera pessoal.

E infelizmente, tem de ser assim.

 

Explico: Há anos atrás, houve uma série de atentados terroristas na França, e minha mãe, uma brasileira sem nada a ver com isso, estava passeando em Paris como turista, contemplando a linda paisagem da Avenida Champs-Elysées.

 

Do nada, surge um militar na frente dela e diz: “Senhora, abra a bolsa agora, eu preciso ver o que tem dentro, por favor”.

 

A princípio ela ficou contrariada. “Quem ele acha que é para olhar dentro da minha bolsa?”.

 

Ela obedeceu porque – embora educado - ele parecia bem firme e intimidador, e como visitante naquele país, ela não quis criar caso.  

 

Mais tarde, refletindo, ela viu que não havia outro jeito, infelizmente as coisas tinham de ser assim. Pessoas estavam sendo aleatoriamente revistadas por causa dos recentes atentados, e a privacidade era algo menor ali em questão.

 

A prioridade era proteger inocentes (como ela) de terríveis atentados terroristas. Durante aqueles dias em férias na França, ela foi revistada mais duas vezes e não se importou mais com esse fato. Pelo contrário: começou a se sentir protegida.

 

Invasão de privacidade? Sem dúvida, mas algo se perde de um lado, e algo se ganha de outro. No caso acima, proteção e eventualmente, a própria vida.

 

Mas o que isso tem a ver com cigarros e com a sua vida?

 

Agora uma lei surpreendente foi aprovada na Inglaterra, mais uma das leis restritivas ao fumo:
 

A partir de outubro de 2015, motoristas e passageiros de veículos que estiverem transportando crianças não poderão mais fumar no interior do carro na Inglaterra, e obviamente, haverá multas para quem desrespeitar a lei. A lei visa proteger os mais novos e evitar que eles sejam fumantes passivos desde cedo.
 

Veja aqui no Canal Terra a notícia http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/inglaterra-proibe-uso-de-cigarros-em-carros-com-criancas,7ca3f9ddceb7b410VgnCLD200000b1bf46d0RCRD.html
 

Veja bem: Estão restringindo o fumante de fumar dentro de seu próprio carro. Não se trata mais de aviões, metrô, lugares públicos, etc. Agora é o seu próprio carro. Essa lei certamente se espalhará pelo mundo, é uma questão de tempo (pouco tempo).
 

E a coisa vai estreitar ainda mais: Não se surpreenda quando a restrição chegar à sua própria casa se você tiver filhos menores de idade. 
 

Orientadas por seus advogados, empresas já proíbem funcionários fumantes de fumarem em seus veículos à serviço da empresa se houverem outros passageiros, pois não querem ser processadas na justiça devido à doenças contraídas pelo fumo passivo. Elas querem se isentar e se proteger dessa dor de cabeça.
 

O fumante será em breve proibido de fumar em seu próprio lar para proteger seus filhos do fumo passivo. Ele não poderá se mudar para um condomínio que goste, por mais dinheiro que tenha, porque será um condomínio 100% livre do fumo e ele será persona non grata ali.

 

Eu me lembro que quando eu era fumante, fumava-se nos aviões. Não faz tanto tempo assim, parece que foi ontem! Na minha faculdade se fumava dentro da sala de aula, dentro dos cinemas, nos restaurantes, em todos os lugares.
 

O fumante se acostumou a essas restrições que vieram com o tempo, mas fumar tem sido algo cada vez mais rejeitado, e por tabela, ele enquanto ser humano é rejeitado também ao procurar um trabalho, em relacionamentos, e por uma sociedade cada vez mais não fumante.
 

A rejeição tem um motivo: É o recado da sociedade atual de que fumar não está com nada e todos querem distância dessa encrenca. O percentual de fumantes no Brasil tem decaído década após década.
 

Quanto tempo você ainda vai permanecer nesse barco furado?
 

Talvez você tenha tentado parar de fumar no passado e não conseguiu. Talvez você nunca tenha tentado, não importa.
 

Talvez você pense em parar, mas tem um forte apego ao cigarro e não imagina a sua vida sem os seus cigarros.
 

Nosso recado é um só: Incrível não é parar de fumar. Incrível é passar a vida toda acreditando que precisa fumar, quando cada vez menos gente no mundo acredita nisso e descobre que a vida é maravilhosa sem cigarros.
 

Sejamos diretos: Se você pensa em parar, certamente irá querer fazer isso da melhor maneira possível: Sem sofrer, apreciando os momentos sociais da sua vida, baladas, churrascos, podendo continuar a apreciar seu cafezinho, seu vinho, sua cerveja, sem engordar, e (principalmente) sem ficar se lamentando pelos cantos por um cigarro depois de parar.
 

Você gostaria de se transformar em um feliz não fumante? 
 

Se acabar com esse vício dentro dessa perspectiva lhe agrada, procure a gente. Essa é nossa especialidade. 
 

Nós podemos ajudar você a se  transformar em um feliz não fumante, inteiramente livre para curtir o que de melhor o mundo e a vida lhe oferecem.
 

Um grande abraço e muito obrigado por ler nosso conteúdo. :-)
 

Lilian Brunstein

Fale conosco:

contato@easywaysp.com.br

Copyright 2019 Todos os direitos reservados.