Fale conosco:

contato@easywaysp.com.br

Copyright 2019 Todos os direitos reservados.

Allen Carr’s Easyway tem dito por anos, agora a ciência comprovou...

Acaba de ser publicado um estudo sobre a reação do cérebro de fumantes, quando expostos ao valor negativo de fumar. Imagens de ressonância magnética demonstram, por exemplo, a ineficácia das imagens nos maços de cigarros.

 

O estudo foi publicado no Centro Nacional de Informação de Biotecnologia (NCBI - National Center for Biotechnology Information), uma divisão da Biblioteca Nacional de Medicina do Instituto Nacional de Saúde, órgão oficial do governo dos Estados Unidos da América.

Leia logo abaixo a tradução do resumo. 

Autores do estudo: Dinh-Williams, Mendrek A, Bourque J, e Potvin S.

Acesse-o diretamente em:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24361634

RESUMO

 

“A natureza viciante do fumo é caracterizada por respostas ao estímulo do fumo que significantemente impedem os esforços para se parar de fumar. Estudos têm demonstrado que fumantes são despertados por estímulos relacionados ao desejo de fumar, e que seu consumo não tende a ser afetado pelo valor negativo do fumo.

 

FINALIDADE:

 

Utilizando-se ressonância magnética funcional, o propósito desse estudo foi duplo: Examinar a reação do cérebro de fumantes crônicos ao processarem o valor negativo do fumo ao serem submetidos a temas aversivos relacionados ao fumo; e também com a finalidade de posteriormente caracterizar esta resposta ao compará-la ao processamento de temas aversivos não relacionados ao fumo e a temas ligados ao fumo que despertam o desejo de fumar.

 

MÉTODO:

 

Trinta fumantes crônicos passivamente visualizaram imagens relacionadas à temas de aversão ao fumo, temas de aversão não relacionados ao fumo, temas que despertam o desejo de fumar e imagens neutras, apresentadas em “bloco de design” enquanto seus cérebros estavam sendo escaneados.

 

RESULTADOS:

 

Estímulos de temas de aversão ao fumo despertaram significativamente maior ativação no córtex pré-frontal medial, amígdala, giro frontal inferior e córtex orbitofrontal lateral do que o estímulo neutro.

Estímulos de temas de aversão despertaram menor ativação no giro hipo-campal, insula e giro frontal inferior quando comparados à condição de aversão dos temas não relacionados ao fumo, assim como à menor ativação do precuneus cingulado posterior e do córtex pré-frontal medial comparado aos temas que despertam o desejo de fumar.

 

CONCLUSÃO:

 

O padrão de ativação cerebral observado sugere que fumantes crônicos experimentam uma resposta aversiva ao processarem estímulos relacionados a temas de aversão ao fumo, no entanto nós demonstramos que esses temas desencadeiam uma resposta emocional negativa e tempo de reação de resposta mais fracos do que a temas aversivos não relacionados ao fumo e a temas relacionados ao desejo de fumar respectivamente. Esses resultados de Imagens Funcionais de Ressonância Magnética evidenciam processos potencialmente importantes que se encontram por trás da insensibilidade aos valores negativos do fumo, uma característica importante do vício.

Nossos comentários sobre o estudo:

 

Há 30 anos nós de Allen Carr's Easyway dizemos que não adianta assustar os fumantes com imagens como as presentes nos maços de cigarros, elas não servem para nada. Fumantes sempre as botam sobre a mesa viradas para baixo.

 

Isso não faz o fumante parar de fumar, pelo contrário, ele fuma mais quando é assustado e também quando jogam em sua cara o medo das doenças; eles fumam mais quando pressionados a parar. A sociedade em geral e a ciência não entendem o mecanismo psicológico desse vício.

 

Ficamos satisfeitos por agora a ciência comprovar o que dizemos há décadas. A abordagem para ajudar um fumante não é o assustar com imagens assim, e sim esclarecer como esse vício opera fisica e mentalmente e oferecer as ferramentas certas para que ele pare sem sofrimento - o sofrimento que esta mesma sociedade o faz acreditar que ele tem de passar (não tem na verdade) para se ver livre de seu vício.

 

Esse estudo é revolucionário no sentido de trazer nova luz sobre como não devemos nos comunicar com fumantes se queremos os sensibilizar para a cessação do tabagismo.